Review: Teen Wolf 5x15 - "Amplification"

Olá leitores, este aqui é mais um resumo com as principais partes do capítulo desta semana de Teen Wolf este sendo o capítulo 15 da 5ª Temporada. Atenção não leia o texto a seguir caso não queira saber nenhum spoiler sobre o capítulo!

Esse episódio foi bem rápido. Não tipo “Meu Deus, que episódio incrível, mal comecei e já acabou”, mas algo como “nossa, esse episódio passou rapidamente, só que não aconteceu nada de excepcional”. Depois do final do episódio passado, eu fiquei com essa expectativa que há tempos não sentia por essa série. Só que fiz mal, porque o episódio não correspondeu. Não que tenha sido um episódio ruim, longe disso, foi até bom, só que tanto foi prometido no episódio anterior que esse, na tentativa de dar continuidade, acabou por não concretizar nada.

Fui assistindo esse episódio e algo estranho aconteceu… Acabei gostando da Kira (e muito!). Na verdade, grande parte dos contatos feitos entre os personagens dessa vez foram bons, bem explorados e serviram para desenvolver os relacionamentos. As cenas Malia/Kira foram as coisas mais perfeitamente incríveis de toda a temporada. Sério. Lembra um pouco Lídia e Allison bem no comecinho da série. Devo dizer que a partir de agora gosto da Kira, o que é surpreendente, considerando que eu costumava odiá-la até essa temporada. Acho que era por falta de um bom desenvolvimento dela com outros personagens e de um plot interessante para entornar o caldo. O contato entre Melissa e Liam foi muito bom também. Ver que uma mãe protetora sabe que não teria chance contra um lobisomem enfrentá-lo e ameaçá-lo foi bacana, principalmente porque a relação dela com o Scott sempre foi muito bem explorada nas temporadas anteriores e eu estava sentindo um pouco de falta, ainda mais porque tantos personagens foram introduzidos ultimamente que parece que os escritores tem tentado fazer algo coerente com eles (com níveis de sucesso variados).

Não só isso, o episódio ficou bom justamente por terem adicionado de tudo um pouco, ao colocarem desenvolvimento dos personagens e humor, tudo juntinho (Stiles falando na frequência do rádio da polícia no meio de uma perseguição e sendo repreendido pelo pai foi um desses momentos que não sei se eram para ser engraçados, mas que me fazem rir horrores. Foi ótimo voltarem com um pouco do velho “humor Stiles”, porque Stiles é vida).

Mas, como eu disse, não classifiquei esse episódio como “ótimo” por alguns motivos. Primeiramente, esse lenga lenga de levar dois episódios só para salvar a Lydia parece ser “encheção de linguiça” demais e isso me deixa sem paciência. Aliás, o desenvolvimento da temporada inteira tem sido entediante e lerdo: faltando apenas cinco episódios até o season finale, nenhum dos vilões foi derrotado, Theo ainda existe, não foi revelado o efeito da morte nos poderes do Scott ou o porquê de ele não sarar, não foi explicado o porquê de terem tirado o terceiro olho do Valick (e, falando nele, sempre esperei que fosse um big bad, mas colocaram-no num subplot totalmente zZzZzZzZ numa temporada mais ZzZzZzZz ainda. Esses escritores precisam ser parados, antes que destruam tudo que TW representa! Mas, pelo menos, ele mostrou que tem algumas cartas na manga, ao revelar aquele capacete de Doutor do medo. Uou.). Se já não fosse suficiente a falta de dinamicidade no desenvolvimento da trama principal, adicionam Deucalion e Gerard, e, enquanto a aparição do Gerard foi maravilhosa e definitivamente destacou-se como ponto alto da temporada, Deucalion me parece meio off, totalmente desconexo da trama.

Outro momento ruim é essa história de flashforward em todo episódio. Isso já está me tirando do sério. Não aguento mais. Todo episódio tem que ter um pedaço de um outro episódio que vai ao ar milênios depois? É sério isso? Ninguém merece.

E para completar os pontos baixos do episódio, não posso deixar de falar da luta mais hypada da temporada e que já mostrou que um dos lados não é nem um pouco páreo para o outro: A Besta vs Hellhound. Na pintura, é descrito um duelo de titãs, na vida real, o Parrish é arremessado numa parede e pronto, desativa os poderes. E isso porque a Besta ainda não está com plenos poderes, né?

Em suma, um episódio bom, mas que não conseguiu superar ou sequer condizer com as expectativas que deixou o episódio passado e, para piorar, ainda não desenrolou o que era prometido (a libertação de Lydia). Digamos que esse episódio foi salvo pelo bom contato entre personagens, o plot “Lydiacêntrico” que eu sempre aguardei (e acredito que muitos fãs) e algumas doses de humor. E eu só digo mais uma coisa: STYDIA IS HAPPENING.

Fonte: Mix de Séries por: Roger Olly

Postar um comentário